09
Abr 13

Num país que balança entre Adam Smith e umas meras

hipóteses de trabalho preliminares sobre as áreas onde as poupanças que irão incidir na indicação da composição das poupanças orçamentais por grandes áreas da despesa pública e que

culminará com a definição dos tectos da despesa a serem estabelecidos  e assumindo os erros de previsão como vindos de factores permanentes, estamos a salvo.

publicado por carlosfreitas às 10:02

eXTReMe Tracker
Carlos Freitas Almeida Nunes
pesquisar
 
pesquisar
 
arquivos
RSS
blogs SAPO