17
Ago 09

 foto 

 

Apresento-me: sou um mero assalariado. Ganho ano cerca de 28 mil euros, aos quais me são me descontados directamente 6 mil euros para contribuições obrigatórias de regimes de protecção social e retenções na fonte de IRS. Não tenho nada a esconder. O trabalho (não é emprego) exerço-o em regime de 48 semanais, sábados e domingos incluídos com direito a folga. Não tenho filhos a meu encargo, pago contudo uma pensão de alimentos. Dai que este ano com todas as despesas de saúde, cá em casa o ano que passou foi um descalabro, a renda de casa etc. e tal. Sou dono de um utilitário que vai este ano fazer 11 anos. Serve-me muito bem. Não penso que ostentação tenha algum significado. Nem tenho problemas de ego. Quer dizer tenho com esses egos desmesurados que habitam o meu país. Como escreveu à tempos Rui Tavares no Público detesto cada vez mais essa corja de gente que se diz respeitável. Talvez este seja o meu problema com o Ego. Sou um português como tantos outro à tona d'água e ainda com a sorte de ter trabalho (não é emprego). E não refiro como é possível viver de forma soez com muito menos e pagar-se o que andamos a todos a pagar. Há tempos  fiz uma mini-maratona. Não daquelas para dar nas vistas em telejornais. Aos telejornais não interessa o vulgar. Esta mini-maratona incluiu a audição na Assembleia da República do ex-presidente da BPN. No fim daquela comédia compreendi ainda melhor como se move o poder político , económico e judicial deste país. Percebi tão bem que resolvo apresentar-me como contribuinte líquido para o total desvario da terceira República e, sou agora, tendo em conta os meros 9.29 cêntimos que não  irei receber mais um salvador dos famélicos da ganância. Eu e muitos outros que, sem rendimentos, sem trabalho e sem receberem IRS, o fazem como eu. Fico deste modo eternamente grato a Fossas excelências (aqui retiro a boina da cabeça e afago-a entre os dedos em sinal de respeito) e a mais quem acha que vocês são o que de melhor podia ter acontecido a este país. Muito Obrigado. Sei que a intenção de 25A74 não era esta por isso não culpo a revolução a que assisti, culpo a vossa mania do futuro, de um futuro às arrecuas para muitos, um futuro sorridente para poucos.

publicado por carlosfreitas às 14:53
tags:

Caro amigo,

Tem toda a razão. Percebi a analogia com a prensa da foto. Mas, sinceramente, quando a vi, pensei que o meu amigo iria falar sobre os prelos perdidos da antiga Imprensa da Universidade de Coimbra. Uma outra forma, como neste país, andarmos sempre a ser "prensados". Já Gusmão se queixava.
JP a 19 de Agosto de 2009 às 16:39

Não me diga? Querem ver  que ninguém sabe deles? E obrigado por ter entendido a analogia da prensa.
carlosfreitas a 19 de Agosto de 2009 às 17:26

eXTReMe Tracker
Carlos Freitas Almeida Nunes
pesquisar
 
pesquisar
 
arquivos
RSS
blogs SAPO