06
Jun 09

 

respeito os prazos mas este é o meu local de reflexão. E daí não virá mal ao mundo se disser que dentre todos Vital assumiu a matreirice política que se lhe reconhece. Rangel tornou-se num peso pesado (tirando a parte física, como é óbvio) e osso duro de roer para a dentição de Vital e de um certo PS. O problema de Vital é o mesmo da Ilda. Embora o Vital queira imposto e a Ilda não. Embora o empenho da Ilda em defender uma Europa social. O BPN do Vital arrasta consigo o presidente, sendo como afirma uma  questão política. O eurojust não interessa ás massas sobretudo as que afirmam que estas eleições são para primeiro ministro, embora como sabemos o grau político seja o mesmo. Vital desviou para canto. Cabeceia mal. Ilda é mais do mesmo e os operários e desempregados já conhecem a sua própria sina E neste país manda o papão. Portas, o Miguel, argumenta e desmonta com rapidez a história do fait-divers vital. A escorregadela estava ali.  Vital engole em seco com aquele sorrisinho alarve de palhaço rico. Se falaram de Europa. Talvez, sobretudo a drª. Edite, já que a Drª Elisa por via de outro assunto foi mandada passar para segundo plano.. E o 1º de Maio foi um fait-divers, como se nós não o soubéssemos. Mas a Europa que existe neste cantinho periférico é a da burocracia do galheteiro e para essa não voto. No entanto vou mandar descarregar o meu voto na Assembleia. Essa ainda me merece algum respeito. Os resultados esses serão uma grande surpresa com a abstenção técnica perto dos 60%. Tirando mortos não abatidos nos cadernos, a população mal calculada, os emigrantes temporários e mais umas quantas trapalhadas já habituais. A ver vamos. Não devia valer, mas vai valer. É assim a democracia. Onde vou votar? No liceu D. Duarte, freguesia de Santa Clara, em Coimbra. E não será a ferros. Nem será asneira.

publicado por carlosfreitas às 00:53

eXTReMe Tracker
Carlos Freitas Almeida Nunes
pesquisar
 
pesquisar
 
arquivos
RSS
blogs SAPO