04
Jun 09

Esta podia ser então a oitava maravilha. Embora também me apeteça reivindicar Olivença. Quer dizer esta nem foi vendida foi assim como que conquistada e depois devolvida sem nunca o ter sido. Coisas do património. Agora surge uma nova miragem nestes assuntos do património, neste caso devidamente comprado, restaurado, datado e conservado pelos espanhóis. Ora, tem gente que pensa que tudo tem um preço. Então nestes assuntos de arte já se sabe como é. Basta ir aos leilões. Neste mundo quem é que não tem preço? Não é? Os espanhóis até podiam fazer um preço jeitoso a peças datadas dos séculos I e II A.C. Imaginem Miranda do Corvo com o seu tesouro de Chão de Lamas exposto num Frank Gehry. Desconfio que terão direito apenas a isto e já irão com sorte, ou então receberão umas cópias das peças de origem celta ali encontradas, ao contrário das que pretendem ser eles a oferecer aos espanhóis depois do tesouro se encontrar deste lado de cá da fronteira. Eis então algumas peças do tesouro reivindicado, vá até aqui, em nome do objecto coloque vaso, no lugar específico escreva Chão de Lamas e pode observar os objectos em ficha completa, nesta voltar a carregar na palavra Chão de Lamas, surgindo toda a colecção,  que assim pode ser apreciado por todos antes de ser exposto em Lisboa, capital deste reino.

publicado por carlosfreitas às 23:58

eXTReMe Tracker
Carlos Freitas Almeida Nunes
pesquisar
 
pesquisar
 
arquivos
RSS
blogs SAPO